Holótipos históricos considerados perdidos em 1978 foram redescobertos no MUHNAC

Holótipos de duas espécies descritas no século XIX, dados como perdidos no fogo de março de 1978, foram redescobertos em bom estado de conservação no Museu Nacional de História Natural e da Ciência

Holótipo da espécie de amonite Vascoceras gamai, descrita por Choffat en 1898, e pertencente às coleções do MUHNAC. Fotografía: Fernando Barroso-Barcenilla

Esta descoberta foi agora publicada na revista “Cretaceous Research”(*) como resultado do trabalho de investigação em colaboração com diversas instituições. Fernando Barroso-Barcenilla, da Universidade de Alcalá de Henares (Espanha), José Manuel Brandão, da Universidade de Évora, Pedro Miguel Callapez, da Universidade de Coimbra e Vanda Santos, do MUHNAC da Universidade de Lisboa, reabilitaram estes holótipos do Cretácico Superior, restituíram e justificaram o seu estatuto de holótipo ou espécime-tipo e, assim, o seu valor científico internacional, reintegrando-os no património dos Museus da Universidade de Lisboa.

(*) Barroso-Barcenilla, F.; Brandão, J.M.; Callapez, P.M. & Santos, V.F. (2015) - Rediscovery of the holotypes of the Cenomanian (Upper Cretaceous) ammonites Vascoceras gamai Choffat, 1898, and Vascoceras barcoicense (Choffat, 1898). Cretaceous Research, 56: 647–650.