Estojo com amostras de minério de chumbo das Minas do Braçal (1851)

O estojo, com amostras de minério de chumbo das Minas do Braçal, foi oferecido a D. Pedro V, em 1852, por Diederich Mathias Feuerheerd (1791-1874), proprietário das Minas.

As coleções de história natural do Museu têm origens seculares. Além de compras e trocas regulares com instituições nacionais e estrangeiras, cresceram substancialmente em duas ocasiões, com a doação de coleções científicas particulares da antiga Casa Real portuguesa.

Primeiro, em 1858, com a integração do Real Museu da Ajuda, fundado em 1768 para a educação dos príncipes portugueses. Com milhares de exemplares, provenientes na maioria das antigas colónias, e uma rica biblioteca especializada, o Real Museu foi entregue, em 1836, à Academia das Ciências de Lisboa para a fundação de um Museu Nacional. Todavia, volvidas duas décadas, por carta de lei de 9 de Março de 1858 - há precisamente 158 anos-, o rei D. Pedro V (1837-1861) ordenaria a sua transferência para a Escola Politécnica.

Num segundo momento, em 1863, com a integração das coleções do Museu Real das Necessidades, reunidas por D. Pedro V e o seu irmão D. Luís (1838-1889). Ambos, particularmente interessados na história natural, acumularam, a partir de 1848, na sua residência das Necessidades, uma coleção de milhares de exemplares ornitológicos, conquiológicos e paleontológicos, importante no contexto europeu e objeto de visita regular por alguns dos mais reconhecidos naturalistas da época.

O estojo, com amostras das Minas do Braçal, representativas dos produtos das diferentes fases do tratamento do minério até à obtenção de chumbo, em exposição este mês, é proveniente das Necessidades. Construído para a Exposição Universal de Londres de 1851, foi oferecido a D. Pedro V, em 1852, por Diederich Mathias Feuerheerd (1791-1874), proprietário das Minas. Transferido em 1863 para a Escola Politécnica, sobreviveu ao incêndio de 1978, e faz parte dos cerca de 1000 objetos provenientes das coleções científicas da antiga Casa Real portuguesa, ainda preservados no MUHNAC. O minério é constituído essencialmente por Galena, um mineral cuja composição química é sulfureto de chumbo.