Insetos iridescentes

Objeto do mês de dezembro 2021

As vibrantes cores observadas na natureza são geradas principalmente de três formas distintas: pigmento, bioluminescência e cor estrutural. A cor estrutural deve-se à presença de micro ou nano-estruturas, que interagem com a luz e podem levar a resultados espetaculares!

Na natureza, um tipo de mecanismo que origina a cor é a reflexão de luz por camadas de moléculas, organizadas em forma helicoidal (semelhante a hélice) e na cutícula de alguns insetos. A cor que vemos varia consoante o nosso ângulo de observação, fenómeno designado por iridescência. Como a luz transmitida por este mecanismo é polarizada circularmente à esquerda, se utilizarmos um filtro polarizador circular direito (como a lente direita dos óculos 3D), não observaríamos cor ou brilho.

Chrysophora chrysochlora (Latreille, 1812), é uma das espécies com cor estrutural vibrante, apresentando uma estrutura à nano escala helicoidal que reflete luz polarizada à esquerda. Os machos desta espécie têm 28 a 40 mm de comprimento, enquanto as fêmeas costumam ser um pouco menores, de 27 a 29 mm. Este escaravelho é diurno e ativo principalmente de setembro a novembro, durante a estação das chuvas. Estes escaravelhos incríveis, são encontrados no noroeste da América do Sul, na Colômbia, Equador e Peru. No Equador, os povos Sequoyah e Shuar usam-nos para fazer colares e outras joias. Os povos Jivaros também empregam todo ou parte do inseto, nomeadamente as asas, muitas vezes combinadas com outros materiais (sementes, ossos, penas, etc.), para fazer adornos que desempenham um papel simbólico importante nas cerimónias e na vida social quotidiana.

O estudo dos mecanismos de cor, observados quer em Chrysophora chrysochlora quer em outras espécies de insetos, têm servido de bio-inspiração para o desenvolvimento de novos materiais, com propriedades semelhantes, para uso em tintas, cosméticos, têxteis e dispositivos anti-falsificação.

 

Chrysophora chrysochlora (Latreille, 1812),

Coletado em: Colômbia, Otanche

Data de Colheita: 01-11-1987

Coletor: Jean François Lecrome

Coleção de Entomologia do Museu Nacional de História Natural e da Ciência

MB07-022847

 

English version