Restauro de peixes antigos no MUHNAC

Conjunto de peixes da coleção mais antiga do MUHNAC, alvo de tratamento pela equipa de Conservação e Restauro. 

Aspeto final da coleção de espécimes preservados em meio líquido após tratamento (© C.Teixeira | MUHNAC)

Espécimes preservados em meio líquido são geralmente fascinantes, por vezes delicados e quase sempre um desafio para a Conservação.

Estes, em particular, provenientes do antigo Museu Bocage (a Secção Zoológica e Antropológica do Museu Nacional de História Natural) são dos espécimes desta tipologia dos mais antigos que o Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC) preserva hoje em dia.

Trata-se de um conjunto de peixes datados na sua maioria do séc. XX, mas também do séc. XIX, coletados em Portugal, África, Índia e Estados Unidos da América, entre outras regiões do globo, sendo alguns também provenientes de instituições como o ‘Museu de Paris’ ou a Smithsonian Institution.

Estes peixes foram recentemente alvo de uma campanha de tratamento levada a cabo pela equipa de Conservação e Restauro do MUHNAC e no âmbito de um estágio Erasmus,por Sara Límens, da Escola Superior de Conservação e Restauro de Bens Culturais da Galiza.

Os espécimes foram cuidadosamente avaliados e seguidos os diferentes protocolos de preservação ou substituição dos meios líquidos, bem como ao nível da sua reidratação e do restauro de etiquetas de papel antigas dos frascos.

Veja na galeria algumas das imagens do processo.