Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no MUHNAC-ULisboa

As lutas estudantis de 1969 e o futebol trouxeram ao MUHNAC-ULisboa, o Presidente da República que visitou a exposição “Primaveras estudantis. Da crise de 1962 ao 25 de abril”, patente no Museu até 28 de agosto de 2022.

Marta Lourenço, Diretora do MUHNAC-ULisboa, Maria Inácia Rezola, Comissária Executiva das Comemorações do 25 de abril, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e João Peixoto, Vice-reitor da Universidade de Lisboa (da esquerda para a direita) © Lúcia Vinheiras Alves

Assinalou-se no MUHNAC-ULisboa, os 53 anos da emblemática final da Taça de Portugal de 1969, que no Estádio do Jamor colocou frente a frente Sport Lisboa e Benfica e a Académia de Coimbra. Mas à data, o “frente a frente” era outro: com a tensão que se fazia sentir entre os estudantes universitários e o regime ditatorial.

Nas bancadas erguiam-se cartazes onde se liam palavras de ordem e em campo os jogadores da Académica entraram a passo lento com as capas negras abertas e caídas em sinal de luto e em solidariedade com os estudantes nas bancadas.

Este dia ficou para a história, e passados 53 anos - a 22 de junho de 2022 - sob a organização a Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril, o MUHNAC acolheu a Conversa “Academia em Jogo - A Luta Estudantil na Final da taça de 1969”, onde antigos jogadores, como o António Oliveira (Toni) do SL Benfica, Mário Campos da Académica, o então estudante Alberto Martins, e a historiadora e investigadora Raquel Vaz Pinto, com moderação do jornalista Carlos Daniel, recordaram a Final da Taça de Portugal de 1969.

Também o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, depois de visitar a exposição “Lutas Estudantis” e de ouvir atentamente os oradores na “Conversa Academia em Jogo”, retornou à juventude e lembrou esse dia da Final da Taça de Portugal.

«Em 1969 estava no 3º ano da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa» e «lembro que quando apareceu este clique na política teve uma reação em massa em Coimbra, teve eco em Lisboa (…) e coloca a ditadura perante uma situação muito incómoda e é aí que a Final da Taça faz crescer a importância e a felicidade desta exposição».

«Porquê? Porque é um momento que ultrapassa a academia e projeta no país. Onde a única projeção (já disse o Dr. Alberto Martins) tinha sido a intervenção, a vários títulos desastrosa, do Ministro da Educação (…), e que vai dar amplitude nacional e deixar o Governo exposto publicamente perante um movimento estudantil de massas, o que nunca tinha acontecido» e «a final da Taça alonga essa projeção».

 O Presidente referiu ainda que a exposição patente no MUHNAC assume maior importância por dar a conhecer às novas gerações a história do país. «Penso que este momento e esta exposição são uma vitória, um golo, para a democracia!».

Presentes nas comemorações da efeméride estiveram também Pedro Adão e Silva, Ministro da Cultura, João Peixoto, Vice-reitor da Universidade de Lisboa, Marta Lourenço, Diretora do MUHNAC-ULisboa e Maria Inácia Rezola, Comissária Executiva das Comemorações, entre muitas outras ilustres presenças.

 

Oiça aqui o discurso do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, 22-06-2022, no MUHNAC-ULisboa.

 

Texto por Lúcia Vinheiras Alves